MIG-21MF Fishbed J Avião de caça (MiG-MAPO)



MIG-21MF Fishbed J Avião de caça (MiG-MAPO)
Descrição:
MIG-21MF Fishbed J Avião de caça (MiG-MAPO) descrição

O Mig-21 MF corresponde a uma nova geração do MiG-21 e é também uma versão destinada à exportação, produzida a partir de 1974 e que foi entregue a vários países do então Pacto de Varsóvia e a países que mantinha acordos militares com a URSS.

Ele é idêntico às versões utilizadas pela União Soviética, contando no entanto com sistemas que nos anos 70 eram mais recentes. O avião dispõe de tanques para 2680 litros de combustível, com o objectivo de aumentar a sua autonomia (o MiG-21 original tinha uma autonomia que não chegava a 1,000Km)

O MiG-21MF é a versão que mais tem sido proposta para modificações e alterações com vista a prolongar o seu periodo de vida útil.

Informação genérica:
O MIG-21, é apenas, o caça a jacto mais fabricado no mundo. Fabricado em quatro paises, é facilmente reconhecível pela sua fuselagem cilindrica. pela sua asa em delta com cauda e pelas suas empenagens acentuadamente em flecha.

Ele substituiu na aviação soviética o bireactor MiG-19S, que foi considerado pouco satisfatório pelos soviéticos

Feito para poder interceptar o bombardeiro americano B-52 o MIG-21, foi pensado para a velocidade, devendo atingir 2.000Km/h a 20.000 metros. Veio substituir o MIG-17 e o MIG-19, que se tinham mostrado inferiores aos seus equivalentes ocidentais.

Inicialmente o MiG-21 deveria ser um avião mais sofisticado, mas as suas caracteristicas foram simplificadas, porque os generais soviéticos pretendiam ter superioridade numerica sobre o inimigo, pelo que o avião deveria ser o mais fácil de fabricar e o mais barato que fosse possível.

O primeiro voo do MiG-21 ocorreu em 1957 e as entregas começaram em 1959.

Na imagem o MiG-21F (no topo) que foi a primeira versão da aeronave. Na imagem de baixo, o MiG-21MF, a versão modernizada que começou a ser desenvolvida pouco depois e que entrou ao serviço nos anos 70.

primeira utilização operacional do MiG-21 foi na guerra do Vietname, onde incialmente logrou alguns resultados, embora quando os caças americanos Phantom F4 começaram a ser modernizados, os MiG, mesmo com a vantagem da velocidade tenham perdido a supremacia. Mesmo assim o caça foi considerado suficientemente perigoso para justificar os programas do F-16 e do F-15.

O MiG-21 foi igualmente utilizado operacionalmente no Médio Oriente, especialmente por países árabes contra Israel. Nesse teatro ele foi considerado inferior aos caças F-4 Phantom e Mirage III de Israel.

Calcula-se que tenham sido fabricados aproximadamente 8,000 unidades pela União Soviética, tendo sido produzidos mais alguns milhares pela China. O MiG-29 ainda está em operação em vários países embora a sua operacionalidade seja baixa.

Existem programas de modernização apresentados por empresas de vários países para transformar os MiG-29. Entre estes estão as industrias aeronauticas da República Checa, de Israel e da Ucrânia.

A própria MiG-MAPO desenhou uma actualização conhecida como MiG-21-93 que tem capacidade para utilizar mísseis R-27 e R-73 de longo alcance, novo radar e até a possibilidade de instalação de um motor RD-33 igual aos do MiG-29.

Empresas de Israel desenvolveram duas modernizações do MiG-21: MiG-21 «Lancer» desenvolvido pela Elbit em cooperação com a Roménia e MiG-21-2000 da IAI, relativamente mais sofisticado.

O MiG-21 da China

A China, recebeu uma licença de produção para o MiG-21 que foi designada J-7. Esta família de aeronaves, embora tenha exactamente a mesma origem, evoluiu de forma diferente.
Os chineses utilizaram o MiG-21/J-7 para desenvolver duas outras aeronaves que se afastaram completamente do desenho base do MiG-21.

Além da China, o MiG-21 tambem foi fabricado e montado na Checoslovaquia.



Duas famílias derivadas de caças que tiveram como origem o MiG-21 foram desenvolvidas na China: Chengdu J-10A e FC-1

Canhões / Metralhadoras
- 2 x 23mm GSh-23 (Calibre: 23 )
Foguetes / Misseis / bombas que pode utilizar
- Vympel R-60 / AA-8 «Aphid» (missil ar-ar)

Nenhum comentário